Teleconsulta, telemedicina ou telediagnóstico: qual a diferença?

8 min. de leitura

Com a pandemia da Covid-19 é possível observar que a tecnologia está cada vez mais presente na medicina, com o aumento de serviços à distância como telemedicina, teleconsulta e telediagnóstico nas unidades de saúde. 

Embora mais evidentes por conta da pandemia e da necessidade de isolamento social, essas modalidades tecnológicas de atendimento não são novidade. A telemedicina facilita a forma de atendimento em clínicas médicas e hospitalares por permitir o acesso a especialistas ao mesmo tempo em que otimiza tempo e reduz custos.

Mas afinal… telemedicina, teleconsulta e telediagnóstico são a mesma coisa? Confira mais informações a seguir e entenda as diferenças. 

Telemedicina

De acordo com o documento elaborado pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), a telemedicina é definida como o exercício da medicina mediado por tecnologias para fins de assistência, educação, pesquisa, prevenção de doenças e lesões e promoção de saúde, podendo ser realizada em tempo real (síncrona), ou off-line (assíncrona). 

De maneira resumida, a telemedicina abrange toda a prática médica realizada à distância, independente do instrumento utilizado para essa relação. Ou seja, a  telemedicina é um termo “guarda-chuva”, que inclui serviços e práticas como telediagnóstico, telelaudo, teleconsulta, entre outros. 

A telemedicina está inserida em um conceito conhecido mundialmente como eHealth ou “saúde digital”. Segundo a HIMSS – Healthcare Information and Management Systems Society, eHealth é qualquer aplicação da internet, utilizada em conjunto com outras tecnologias de informação, focada em prover melhores condições aos processos clínicos, ao tratamento dos pacientes e melhores condições de custeio ao Sistema de Saúde.

É importante ressaltar que a telemedicina é uma das áreas que avançou bastante com os recursos da Inteligência Artificial (IA), principalmente na automatização e definição de prioridades médicas, ou casos de urgências. Este conhecimento, somado ao histórico dos pacientes, que também já são armazenados digitalmente, podem trazer muitos ganhos a médicos e pacientes na definição de diagnósticos cada vez mais precisos.  

O processo de regulamentação da telemedicina como um todo no Brasil ainda está em fase de discussão. Em fevereiro de 2019 o CFM chegou a publicar as novas diretrizes, mas após pedidos revogou o documento. Assim, a resolução que vale para esta prática hoje no Brasil é a número 1.643, de 2002.

Leia também:
O que é Telemedicina e como funciona? 

Empresas de telemedicina: como escolher a melhor? 

Teleconsulta

Sendo uma das frentes da telemedicina, a teleconsulta – liberada em março pelo CFM no combate à pandemia do Novo Coronavírus – consiste na possibilidade de realizar uma consulta médica de forma remota, por meio de tecnologias seguras de comunicação online, como videoconferência ou aplicativos de vídeo-chamadas, utilizando computadores, tablets ou smartphones para a função.

É necessário entender que as consultas à distância podem ser iniciais (primeiro atendimento), de acompanhamento, urgência ou de supervisão (com a troca de experiências entre profissionais). As teleconsultas atendem desde cuidados primários e enfermagem até diferentes especialidades médicas como: radiologia, dermatologia, cardiologia, neurologia, pneumologia, psiquiatria, reabilitação, oftalmologia e outras. 

Além disso, para realizar a teleconsulta a clínica médica precisa de um sistema com tecnologia de ponta que garanta a segurança dos dados repassados entre profissionais da saúde e entre paciente e médico, além do armazenamento seguro destas informações. 

Leia também:
O que é e como funciona a teleconsulta 

CFM libera atendimento médico a distância para combater Covid-19 

Telediagnóstico

O telediagnóstico é a emissão de laudo ou avaliação de exames por meio de dados de imagens e gráficos enviados pela internet. A prática consiste no uso de modernas tecnologias para fornecer informação e atenção médica a pacientes e outros profissionais de saúde situados em locais distantes. 

Uma das principais vantagens do telediagnóstico é otimizar o processo de emissão de laudos de exames ao facilitar o acesso a especialistas e garantir que possam ser feitos de forma mais segura e efetiva.

O telediagnóstico normalmente é realizado em dois tipos de situações: em exames realizados em laboratórios e clínicas ou no ambiente pré-hospitalar e hospitalar, como no pronto-socorro, onde um enfermeiro ou socorrista informará os dados coletados nos exames para um especialista para que ele possa encaminhar os primeiros procedimentos a serem realizados até a sua chegada e definir o tratamento apropriado. Os exames são realizados da forma habitual pelos profissionais habilitados. O que muda é que os dados coletados são enviados diretamente dos equipamentos para a plataforma de telemedicina contratada. 

Entre os exames que podem ser realizados por meio de telediagnóstico estão: 

  • Acuidade visual
  • Eletrocardiograma
  • Eletroencefalograma
  • Espirometria
  • Raios-x
  • Mamografia
  • Tomografia
  • Ressonância magnética
  • Mapa
  • Holter
  • Teste ergométrico

As diretrizes do pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) citam que o médico que emitir o laudo à distância poderá prestar o devido suporte diagnóstico e terapêutico em caso de emergência ou quando solicitado pelo médico responsável.

Além disso, o CFM recomenda que o telediagnóstico seja realizado por um médico com Registro de Qualificação de Especialista (RQE) na área relacionada ao procedimento. Outro cuidado necessário neste método é com o sistema de informações da tecnologia utilizada, de forma a preservar a confidencialidade dos dados do paciente.  

Leia também: 

O que é telediagnóstico e como funciona 

Laudo online: como funciona, benefícios e especialidades atendidas 

Conheça as soluções oferecidas pela Portal Telemedicina

A Portal Telemedicina atende clientes de diversos segmentos, como clínicas, medicina ocupacional, saúde corporativa, hospitais, assistência domiciliar, unidades móveis, convênios, empresas/indústrias e médicos especialistas. O sistema da Portal conta com automações de inteligência artificial que ajudam os médicos a laudar exames com maior precisão devido a uma série de fatores:

Confira a seguir os serviços oferecidos pela Portal Telemedicina:

  • Plataforma de laudos: Por meio da plataforma, a clínica ou hospital consegue realizar e enviar os exames online; os médicos recebem os exames e analisam as imagens e os profissionais do hospital podem acessar a central médica online com login e senha para analisar exames, visualizar e imprimir os laudos, caso seja necessário. A plataforma é baseada em Inteligência Artificial e ML para elevar o processo de diagnóstico do seu hospital.
  • Equipamentos médicos: A portal trabalha com a compra, aluguel e comodato de equipamentos médicos como: optômetro para realizar testes oftalmológicos; EEG digital portátil para exames de rotina de eletroencefalografia; aparelhos ECG Micromed e Emai para realizar teste do coração e espirômetro mir para a realização de espirometria.
  • Treinamentos: A Portal Telemedicina realiza treinamentos em todos os procedimentos que envolvam a telemedicina, da realização do exame ao envio. Também possui a certificação em Eletroencefalograma, voltada para profissionais da saúde que queiram se aprofundar na realização do EEG ou mesmo se reciclar e obter novos conhecimentos na área. Possui uma infraestrutura para treinamentos presenciais em São Paulo e treinamentos EaD através de vídeo-aulas com acompanhamento via sistema pelos médicos.
  • Laudos à distância: A Portal Telemedicina lauda para todo país, conta com médicos de todas especialidades disponíveis 24 horas por dia e durante sete dias da semana. Além disso, trabalha com software avançado, com conexão direta aos aparelhos médicos, e regulamentado pela Anvisa e pelo CFM.
  • Teleconsulta: Oferece o atendimento médico intermediado pela tecnologia para casos em que o paciente esteja distante de centros de referência e de profissionais especialistas.