Portal Telemedicina desenvolve inteligência artificial para detecção de nódulos cancerígenos

9 min. de leitura

O papel da inteligência artificial para dar suporte ao diagnóstico médico em detecção de nódulos cancerígenos, em exames de Raios-X e tomografia computadorizada está cada vez mais aprimorado. Ao longo de dois anos de pesquisa realizada pela Portal Telemedicina, em parceria com o Instituto Eldorado e Instituto Brasileiro de Controle do Câncer (IBCC), atualmente São Camilo Oncologia, foi possível avançar ainda mais na tecnologia que promete grandes resultados para a detecção precoce e acompanhamento de câncer no país. 

O objetivo do estudo era criar uma solução capaz de detectar nódulos para apoiar médicos de forma que consigam fazer diagnósticos mais rápidos, além de ajudar com o acompanhamento de lesões, possibilitando agilidade na tomada de decisões durante o tratamento para a doença.

O diagnóstico precoce é um dos principais pontos para se combater o câncer, pois quando se começa o tratamento no estágio inicial da doença, as chances de cura são maiores. 

De acordo com o Datasus, o câncer é a segunda doença que mais mata no Brasil. Segundo a Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (Femama), o tempo médio para diagnóstico da doença no país é de 270 dias. 

Um acórdão divulgado pelo Tribunal de Contas da União em 2019 mostra que 55% dos pacientes começaram o tratamento contra a doença já nos estágios três e quatro. Em alguns tipos de câncer, o percentual de pessoas que iniciaram o tratamento em estágio avançado chega a 80%. 

“A falta de políticas de prevenção e dificuldade de acesso a diagnóstico e tratamento precoce do câncer seguem como uns dos principais desafios no combate ao câncer no Brasil”, destaca a gerente do Núcleo de Pesquisa da Rede São Camilo, Juliana Fenerich Mauri Andrade.

 

Com uma solução capaz de fazer essa detecção em qualquer exame de imagem, será possível atuar na medicina oncológica de forma preditiva. Isso porque a grande maioria dos exames de imagem realizados no Brasil são feitos de rotina ou para investigação de outras doenças que não necessariamente o câncer.

“A inteligência artificial é capaz de detectar a presença de um nódulo em segundos e colocar um exame com alteração como prioridade na fila de espera para o médico. Dessa forma, conseguimos encurtar o período entre a realização de um exame até o diagnóstico de dias para horas”, explica a head de produto da Portal Telemedicina, Elizabeth Rocha Fernandes.  

Pesquisa feita através do programa Tech D

Em 2019, a Portal Telemedicina passou pelo processo de aceleração do Programa TechD, lançado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações e Comunicações (MCTI) em parceria com a Softex. Sua missão foi fazer a ponte entre o universo empreendedor e o de pesquisa por meio da integração e da maior convergência entre startups, centros de P&D, universidades e empresas do setor produtivo.

“O sucesso da Portal Telemedicina comprova a importância do investimento público e privado em healthtechs capazes de fomentar a produção científica no país e colaborar assim para o desenvolvimento de tecnologias com maior valor agregado”, destaca Diônes Lima, vice-presidente executivo da Softex.

O médico radiologista Vinícius Castro Fiorot, que acompanhou o estudo, afirma que existem dois grandes benefícios para a área médica com a identificação de lesões. O primeiro é a maior agilidade na avaliação de exames de pacientes oncológicos, uma vez que o software pode identificar lesões potencialmente neoplásicas e mostrar ao médico que está fazendo a leitura do exame. 

O outro é melhorar a assertividade na identificação desses achados, pois algumas lesões podem passar despercebidas pelo radiologista, principalmente se forem pequenas.

Além do impacto na vida dos pacientes, o tratamento precoce traz resultado importante em relação a custos na área da saúde, já que o tratamento para estágios avançados da doença é muito mais caro.

O projeto de pesquisa da Portal visa criar soluções que também reduzam a quantidade de erros médicos durante o laudo de exames. Quando há divergência entre a indicação da IA e a avaliação do médico é criado um sistema de double-check, ou seja, o mesmo exame é enviado a outros profissionais abrindo um fórum de debate.

Leia também: Laudo de mamografia: como a telemedicina pode ajudar no diagnóstico precoce

Impactos na saúde populacional 

O estudo realizado pela Portal com o São Camilo Oncologia e o Instituto Eldorado é um caminho inicial para desenvolver tecnologia capaz de ajudar na detecção de nódulos e, futuramente, também ajudar no acompanhamento da evolução deles durante o tratamento. Isso permitirá uma tomada de decisão mais rápida na área médica em relação ao tipo de terapia utilizada, conforme os resultados. 

Com um serviço de Inteligência Artificial avançado para detecção de nódulos em exames de imagem, a tendência é haver muitas descobertas de câncer durante exames de rotina ou para busca de outras lesões.

Esse primeiro projeto cumpriu o objetivo de isolar e remover as barreiras científicas na produtização em larga escala dos algoritmos de inteligência artificial. Ao final, obtivemos uma detecção de nódulos cancerígenos em exames de Raios-x com performance muito acima da esperada inicialmente”, explica Elizabeth.

Ela ainda destaca que o modelo para exames de Raios-x tem um potencial de impacto na saúde coletiva muito maior do que a detecção feita em exames de tomografia porque micro e pequenas clínicas podem ter esse equipamento. “Além disso, o custo por exame é muito menor e, portanto, a abrangência de população atendida tende a ser maior”, explica.

Para Nélio Resende, gerente de Desenvolvimento de Negócios do Instituto ELDORADO, o projeto executado demonstra que o uso da tecnologia na medicina preventiva já é realidade.

“Algoritmos de inteligência artificial são utilizados para a detecção precoce de doenças e os ganhos são diversos, entre os quais o auxílio na assertividade e na velocidade do diagnóstico. Somado a isso, devido ao uso acessível de Raio-x, a possibilidade de se disseminar a tecnologia se torna muito mais factível”, destaca.

Próximos passos para uso de inteligência artificial na detecção de câncer

Os resultados do estudo já estão sendo aplicados na solução de telediagnóstico da Portal Telemedicina. Agora a empresa almeja um passo adiante, que é usar a inteligência artificial na avaliação Response evaluation criteria in solid tumors (Recist) para dar suporte no acompanhamento de pacientes com câncer já em tratamento.

A avaliação Recist consiste na análise de diversos exames do paciente desde o início do tratamento e comparação entre eles para avaliar se os nódulos presentes estão aumentando ou reduzindo de tamanho.

Esse trabalho muito minucioso é feito para traçar uma linha de evolução completa para se chegar a uma conclusão sobre a eficácia do tratamento utilizado. 

“Esse processo por vezes é difícil e demorado, uma vez que alguns pacientes podem estar acompanhando há meses ou anos, sendo necessário revisar todo o histórico de imagens. Com o software da Portal Telemedicina, seria possível identificar lesões neoplásicas no primeiro estudo e, após, fazer o acompanhamento com mensuração ou quantificação de forma automática nos demais exames”, diz Vinícius Castro Fiorot.

Juliana explica que os pacientes rotineiramente realizam exames para avaliar a eficácia do tratamento a cada três meses em média e que hoje há dificuldade de encontrar profissionais especializados neste tipo de análise. “Vemos a IA como grande aliada ao proporcionar com assertividade o acesso a essa avaliação”, destaca.

Leia também:

>>>Portal Telemedicina lança Inteligência Artificial para detectar Covid-19 em exames de imagem

>>>Como a tecnologia pode ajudar a melhorar o acesso à saúde