Telemedicina cardiológica: conheça os benefícios para clínicas e hospitais

12 min. de leitura

Geração de laudos digitais, interpretação de testes cardiológicos à distância e avaliação de casos urgentes em teleconferência são alguns exemplos de como a telemedicina cardiológica contribui para melhorar a rotina e os procedimentos dentro das clínicas e hospitais.

Veja a seguir os benefícios dessa especialidade e os tipos de exames que podem ser realizados via telemedicina. Saiba também como os recursos de Inteligência Artificial podem contribuir para a emissão de laudos de exames cardiológicos.

O que é telemedicina cardiológica?

A telemedicina cardiológica ou telecardiologia é uma especialidade da telemedicina que busca atender e identificar cardiopatias e alterações no funcionamento do coração. Na prática, faz uso dos princípios comuns à telemedicina, como a troca de informações e a comunicação online, buscando sempre facilitar a realização e avaliação de exames, emissão de laudos e fechamento de diagnósticos.

Desde o monitoramento das condições dos pacientes até o suporte por parte de médicos especialistas para a obtenção de diagnósticos mais contundentes, tudo pode ser feito via Internet, de modo remoto. Regulamentada no Brasil pelas normas de segurança da Anvisa e Conselho Federal de Medicina, a telemedicina oferece inúmeros benefícios para a cardiologia, como o acesso a inovações tecnológicas.

Além disso, a possibilidade de realizar exames e diagnósticos à distância contribui para a melhora da rotina e dos procedimentos no dia a dia das clínicas e hospitais. Com acesso ao sistema de gerenciamento de informações por meio de computadores ou dispositivos móveis, os médicos podem acessar os dados dos exames cardiológicos a qualquer hora e de qualquer lugar do país.

Como funciona a telemedicina cardiológica?

A telemedicina cardiológica utiliza a tecnologia da informação para facilitar e otimizar a interpretação e emissão de laudos remotamente. Esses recursos possibilitam mais agilidade na emissão de laudos, o que tem ajudado a salvar muitas vidas ao colocar médicos cardiologistas à disposição de unidades de saúde que realizam exames a qualquer hora do dia.

Há ainda sistemas que contam com inteligência artificial, em que os próprios computadores, por meio do machine learning, realizam o cruzamento de dados e imagens, auxiliando os médicos responsáveis a identificar anormalidades e a laudar os exames com mais precisão.

A Portal Telemedicina, por exemplo, utiliza inteligência artificial para detectar alterações e fazer uma triagem, colocando os casos urgentes como prioridade. Com essa tecnologia a empresa hoje entrega um laudo de exame cardiológico para casos urgentes em um tempo médio de três minutos.

Essas facilidades auxiliam as clínicas e hospitais a disponibilizarem os laudos com mais agilidade, muitas vezes no mesmo dia e, em casos de urgência, em apenas uma hora.

Leia também: Telecardiologia: como funciona e quais seus diferenciais

Exames cardiológicos que podem ser feitos via telemedicina

Há diversos exames que podem ser realizados à distância utilizando a telemedicina cardiológica. Todos os exames são realizados da mesma forma via telemedicina ou em consultas presenciais — o que muda é que os equipamentos médicos enviam os dados coletados no exame a uma central médica, e o laudo é emitido remotamente para as unidades de saúde. Conheça alguns dos exames:

Eletrocardiograma

O eletrocardiograma (ECG) via telemedicina é um exame de imagem que registra a quantidade e a velocidade das batidas do coração. A partir da captação da atividade elétrica do coração por meio de um aparelho chamado eletrocardiógrafo, o cardiologista pode analisar gráficos que demonstram o ritmo dos batimentos cardíacos por minuto.

Esse exame costuma ser aplicado tanto em hospitais quanto em clínicas ou no consultório do médico cardiologista e auxilia na identificação de doenças como:

  • arritmia (taquicardia, bradicardia ou batimentos fora do ritmo); 
  • aumento de cavidades cardíacas; 
  • patologias coronarianas; 
  • infarto do miocárdio; 
  • distúrbios na condução elétrica do órgão; 
  • problemas nas válvulas do coração; 
  • pericardite (inflamação da membrana que envolve o coração); 
  • hipertrofia das câmaras cardíacas; 
  • doenças genéticas;
  • e doenças transmissíveis (como Doença de Chagas).

O exame é realizado com a aplicação de eletrodos posicionados no peito, punhos e tornozelos do paciente, que deve estar deitado. O ECG dura de 5 a 15 minutos para ser concluído.

Saiba mais: Eletrocardiograma via telemedicina: saiba como funciona 

Holter

Assim como o ECG, o exame Holter também busca monitorar a frequência cardíaca, porém, durante um período maior. Por no mínimo 24 horas, o paciente fica com eletrodos posicionados no corpo e um aparelho grava os batimentos hora a hora, calculando a frequência média, mínima e máxima.

A digitalização das informações permite que os gráficos possam ser analisados por médicos a qualquer hora e de qualquer lugar do mundo.

O exame Holter é essencial para o diagnóstico assertivo de patologias como distúrbios de condução atrioventricular e intraventricular, canalopatias, isquemia silenciosa, apneia do sono e arritmias. Essa avaliação não é invasiva e não possui contraindicações. Os principais sintomas que levam o médico a solicitar o exame são tonturas, desmaios e palpitações. 

Leia também: Exame Holter: o que é, indicações e boas práticas na realização 

Exame MAPA

O exame de Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (MAPA) é a avaliação médica mais indicada para o diagnóstico preciso de como a pressão arterial (PA) se comporta em cada indivíduo e os riscos de sua variação 

Por meio de um aparelho conectado a uma braçadeira, acoplada à cintura e ao braço do paciente, o exame faz um acompanhamento de 24 horas do paciente, pois, enquanto a aferição pontual da PA reflete o estado atual, é necessário conhecer as variações ao longo do dia para identificar doenças crônicas, como a hipertensão arterial e para avaliar episódios de síncope e lipotimia.

Saiba mais: O que é exame Mapa e como funciona? 

Teste ergométrico

Também conhecido como “teste de exercícios”, o teste ergométrico é um exame cardiológico que analisa as respostas clínica, hemodinâmica, autonômica, eletrocardiográfica, metabólica e eventualmente ventilatória do paciente.

Aplicado com auxílio de uma esteira ou cicloergômetro, o exame afere as condições de pressão arterial, frequência cardíaca, traçado eletrocardiográfico, bem como os sinais e sintomas de alerta enquanto o paciente realiza uma atividade física. É utilizado para detectar isquemia miocárdica, identificar arritmias cardíacas, avaliar a capacidade funcional e a condição aeróbica de atletas, prescrever exercícios e diagnosticar e estabelecer o prognóstico de determinadas doenças cardiovasculares.

Confira mais informações: Teste Ergométrico: o que é, preparo, indicações e como funciona – Telemedicina 

Tomografia cardiovascular

A tomografia cardiovascular é um exame que utiliza radiação para obter imagens do coração, e que avalia a pressão arterial e a frequência cardíaca do paciente. É muito utilizada para a realização de uma pesquisa não invasiva de doença arterial coronariana.

Esse exame pode ser utilizado para identificar anomalias estruturais do coração, do pericárdio (a membrana que envolve o coração), dos vasos sanguíneos de grande porte, bem como dos pulmões e das estruturas de suporte no tórax.

Ressonância cardiovascular

Um dos exames mais completos na avaliação cardiológica, a ressonância cardiovascular contribui para que médicos especialistas façam o diagnóstico de patologias que vão de arritmias até tumores. É um procedimento seguro, indolor e não-invasivo, que realiza um exame por imagem.

Diferentemente da tomografia, que utiliza radiação, a ressonância usa um campo magnético para a captação de imagens tridimensionais do coração, o que permite visualizar detalhes da atividade do músculo cardíaco e o fluxo sanguíneo na área, além de dados sobre o volume, câmaras cardíacas (átrios e ventrículos), válvulas cardíacas e superfície do coração.

Vantagens do uso da telemedicina na cardiologia

Com o auxílio da telemedicina cardiológica, clínicas e hospitais podem oferecer os resultados dos exames aos pacientes com mais rapidez e assertividade, pois a gestão de informações online permite que médicos especialistas façam a avaliação diagnóstica de qualquer lugar, e a qualquer momento.

A emissão de laudos via telemedicina permite que a clínica ou hospital conte com o suporte de especialistas em cardiologia em tempo integral, a partir de qualquer lugar do país, e o monitoramento dos pacientes cardiopatas pode ser feito de modo remoto, reduzindo a quantidade de visitas hospitalares ou clínicas. Essa tecnologia é, inclusive, muito utilizada por ambulâncias e UTIs móveis, que inserem os dados dos pacientes em prontuários digitais.

Em casos de urgência, é possível também realizar teleinterconsultas, que são conferências entre o médico cardiologista responsável pela emissão do lado e o profissional de saúde que está no atendimento presencial.

Inteligência Artificial acelera emissão de laudos de exames cardiológicos

Utilizada em diversas áreas da saúde, a inteligência artificial contribui com a agilidade na emissão de laudos dos exames cardiológicos, como o EGC. 

A solução de telelaudo de eletrocardiograma da Portal Telemedicina, por exemplo, conta com inteligência artificial e permite que as clínicas e hospitais tenham acesso a um laudo de qualidade, emitido por um especialista, em poucos minutos. Essa é uma alternativa segura, confiável e acessível para gestores de saúde que querem investir em tratamentos de qualidade com tecnologia de ponta.

Um exemplo disso é a cidade de Tarumã, no interior de São Paulo, que foi pioneira na implementação da telemedicina cardiológica pelo SUS. Com o sistema de telelaudo com orientação de conduta, uma equipe com milhares de médicos cardiologistas à disposição da unidade de saúde municipal e, utilizando inteligência artificial e telemedicina, o SUS de Tarumã passou a emitir laudos de eletrocardiograma em um tempo médio de três minutos.

Um dos indicadores que fez com que a cidade buscasse a telemedicina foi o de que 23,5% dos óbitos de Tarumã estavam relacionados a problemas cardíacos. A adoção da telemedicina cardiológica no SUS fez com que o índice de morte por infarto agudo de miocárdio tivesse uma redução de 45% na cidade após um ano de implementação da plataforma de telemedicina nas unidades básicas de saúde.

E, após 18 meses, o gasto da prefeitura com doenças cardíacas reduziu em 30%. O resultado foi reconhecido como uma prática inspiradora para ser aplicada em outros municípios no Programa Parcerias Municipais do Governo do Estado de São Paulo.

Hoje a cidade conta com um atendimento na mesma agilidade do que é oferecido em grandes centros médicos.

Quer saber mais sobre essa especialidade e como a telemedicina cardiológica pode contribuir para a otimização dos laudos emitidos pelas clínicas médicas e diagnósticas? Para saber mais sobre nossos serviços, seus benefícios e como oferecê-lo em sua clínica ou hospital, confira a página sobre o Telelaudo de Eletrocardiograma da Portal Telemedicina e agende uma conversa com um de nossos consultores.